• Aline Esha

Cura

Atualizado: 4 de nov. de 2021

O que é cura?

Por que cura? Onde cura? Como cura?

Cura, Cura, Cura, Cura


Tudo começou com uma provocação do Festival YNTB deste ano de 2021 cujo tema foi “O que será o amanhã”.

Eu observo o ontem para entender o hoje e pensar no amanhã e desta perspectiva, passado presente futuro eu vejo que existe um processo de adoecimento do planeta, dos corpos mentais, emocionais e físicos, paramos de escutar a mãe terra.

Se viemos para o mundo terreno para aprender a viver com os sentimentos, as emoções,e o processo de evolução está ligado em ter este equilíbrio da tecnologia e da terra .

Existe um movimento desenfreado de desmatamento, aquecimento global, poluição , acidentes altamente poluentes das indústrias, usinas e tudo isso rasga , sufoca, afoga, queima e sangra a Mãe terra.

Observando este passado é possível entender nosso presente, nos traz consequências, físicas, mentais e emocionais, sim estamos todos doentes e pra mim é muito simbólico este vírus ter a sua maior fonte de ataque nos pulmões órgãos que fazem parte do nosso chakra cardíaco.

Este chakra une os três chakras de baixo plano fisico e dos 3 chakras de cima plano espirituail, quando equilibrado traz o amor incondicional esta faixa vibracional que nada tem a ver com amor romantico do apego, porém quando desequilibrado traz tristeza profunda, solidão, angustia, medo.

Estamos em desequilíbrio com o cardíaco da mãe terra e isso nos reflete diretamente.

Eu proponho então através desta performance arte e política mostrar a minha visão de como devemos construir o amanhã.

O vídeo foi gravado em Florianópolis na Ilha da Magia e não a toa que tem este nome , pois esta terra tem uma profunda magia ancestral , registrada nas pedras, nas águas, nas dunas, no ar.

Acredito que na busca das nossas raízes ancestrais que olhavam para a terra e honravam ela e encontravam nela todas as respostas e curas.

Utilizei a simbologia dos 4 elementos da natureza (terra, ar, água e fogo)ligados aos 4 arquétipos das Bruxas que seguem a lua ( Anciã, Mãe, Jovem e Criança).

A minha anciã traz a minha ancestralidade, através das benzedeiras, senhoras que tem a sabedoria das ervas, das raízes, sementes, da Terra, e junto com o rezo curam.

A criança nasce com a leveza do ar , quando nasce do útero representado no vídeo pelo útero das dunas, o primeiro movimento que precisa ser feito é a respiração entrada de ar, é a parte mais vital do nosso corpo , então a cura está no ar.

A a mãe representada pelas águas, das emoções, da água do útero, em uma conexão do rezo das águas profundas da mãe Iemanjá , as águas lavam, limpam, acolhem e curam.

E enfim a jovem representando o fogo de vida, o fogo que limpa e esgota de egunitá, o fogo que abrasa e impulsiona a viver pelas bruxas com seus caldeirões e velas que possamos nos curar pela conexão com nosso fogo interno .

Escolhi a música Cura da dupla Venga Venga, que traz um ativismo pela perspectiva da cura gay, uma questionamento sobre a cura , curar o que, a música costura a performance e conta história.

O vídeo foi feito pelo VideoMaker Joy Bro que trouxe seu olhar cuidadoso, detalhista e profundo para a captação e edição.

A produção e figurino foram feitos com todo carinho pelas mãos de Nina Hoffmann com as peças do Acervo Nequesa e Eduardo Caires.





77 visualizações0 comentário